Brasil e as suas abelhas africanizadas

A produção de mel no País começou por volta de 1840, com a introdução de abelhas Apis melífera, trazidas da Espanha e de Portugal  por iniciativa do padre Antônio Carneiro,  para produzir as velas usadas durante a missa. Nos anos seguintes foram introduzidas abelhas nas regiões Sul e na Bahia. Naquela época, elas eram criadas de forma rústica nos fundos dos quintais, apenas para atender as necessidades de consumo das famílias.

Por volta de 1950 o aparecimento de doenças e pragas quase dizimou a apicultura no País. Para aumentar a produção, o pesquisador brasileiro Warnick Estevan Kerr trouxe da África as abelhas africanas, mais resistentes e que produziam mais mel, mas também mais agressivasNo entanto, por acidente, as abelhas africanas espacaram de um apiário experimental no município de Rio Claro, São Paulo, e se espalharam pelo País, provocando muito medo entre a população, tanto que foram chamadas de abelhas assassinas.  Muitos apicultores   desistiram da atividade.  Para contornar a situação, foram distribuídas entre os apicultores rainhas italianas virgens, que se acasalavam com zangões africanos, resultando numa  prole mais produtiva e menos agressiva. A estratégia deu certo.

Hoje as abelhas africanizadas, resistentes a doenças e pragas, são as responsáveis pelo desenvolvimento da produção apícola do País. Houve aumento do número de apicultores, de associações apícolas, de empresas, pesquisadores e cursos de capacitação na área.  O mel brasileiro é reconhecido mundialmente por ser puro, livre de resíduos e é referência em qualidade.

Fontes de pesquisa:

http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Mel/SPMel/historico2.htm

http://www.macmel.net/?option=39

http://www.mel.com.br/historia-do-mel-no-brasil/

http://revistaplaneta.terra.com.br/secao/saude/mel-nectar-dos-deuses-produzido-por-insetos

Matérias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × dois =